terça-feira, 10 de novembro de 2009

Transcender: um exercício de liberdade



Alex Carrari


Somos seres de projeção. Ir além é nosso anseio mais primordial e nossa constituição de base. Como seres de projeção é que nos damos conta que existimos (ex), reagimos ao mundo circundante, construímos nosso ser em constante abertura. Assim, dizemos ex-istência, projetar-se para fora. O protesto aí se instaura. Existir é protestar sempre. Protestamos contra os enquadramentos sociais que nos são impostos. Rebelamo-nos contra as repressões eclesiásticas que nos querem tolher a capacidade de pensamento crítico. Insurgimos contra as interpretações dogmáticas castradoras da vida. Rompemos interditos que limitam nossa liberdade e empenho em transformar a realidade.


Protestamos, pois sabemos que somos mais. Nos sentimos mais. Sentir-se mais é afirmar a transcendência como dimensão intrínseca do ser humano. Nosso legado religioso tem de ser submetido à critica quando falamos em transcendência, pois, nossa percepção foi treinada para fazer um corte radical entre imanência e transcendência. Assim, nos disseram que o Céu é para cima , lugar onde Deus habita, os anjos circulam e os santos descansam. Aqui, no chão, no nível mais baixo, fica a imanência onde constatamos uma realidade hostil e inferior. Dois mundos que se contrapõem, mas que pela mecânica da oração e meditação, dizem, pontes são criadas que nos permite vislumbrar a transcendência; processo devidamente mediado pelas religiões.


Embora bela, essa estruturação não condiz com a realidade. Tudo é metafísica. Tudo é uma representação posterior à experiência do ser humano como ser histórico, seja, a experiência originária. São modelos de representação do mundo forjados por nossos ancestrais que já sentiam a perda da unidade entre si mesmos e o mundo sensível.


Céu/inferno, lá/aqui, corpo/alma, Deus/mundo, imanência/transcendência, tudo é metafísica. Nossa experiência originária, aquela situada no grau zero da existência, nos revela que imanência e transcendência não são aspectos distintos, mas dimensões de uma única e mesma realidade que somos nós. Enraizados, situados, porém abertos. Sonhamos para além daquilo que nos é dado como definitivo. Transcender não é um lugar a que se chega, antes, é aceitar o convite do Criador a gerar utopias, criar com Ele possibilidades que viabilizem a vida . Longe do consolo anestésico que as religiões oferecem, transcender é nosso desafio mais secreto, é nossa condição como seres nunca prontos, posto que o ser humano é um projeto infinito, que se realiza no ato supremo da liberdade divina outorgada a nós.

4 comentários:

HD ASSISTÊNCIA TÉCNICA disse...

Caro pseudo-escritor,

Vejo que cometeu um furto literário, pois a tua "erudição" é livresca, nada mais!!!! Até quando vai continuar com ideias de outros e não a tua? Percorrendo o teu discurso notei que as "tuas" palavras são de Leonardo Boff cujo título do Livro é:
"Tempo de Transcendência: O ser humano como um projeto infinito".
Quem és tu? Uso agora uma frase "não minha", mas do Filósofo chamado Friedrich Nietzsche: "Torna-te quem tu és!".
No teu discurso não vejo nada teu! Vejo outros escritores. Até quando vai ser considerado um pseudo-escritor? Até quando vai continuar com essa sandice?

numen disse...

Caro Alex,
Parabéns Cara!! Acho que começamos com o pé direito. Eh, Eh, Você convidou e o pessoal da "ASSISTÊNCIA TÉCNICA" foi o primeiro a encostar.
Vamu qui vamu

Paulo Silvano

Viola disse...

Caros amigos

Fico feliz por saber que existem homens de Deus na trincheira, transcendendo as mensagens fragmentadas dos "mensageiros"conteporaneos !
Continuem conflitando os pensamentos ortodoxos presentes
Deus abençoe !
Viola

Mário Celso disse...

Parabéns Alex Carrari... Agradeço a Deus pela existencia de pessoas - que sem egoísmo - pesquisam, aprendem e conosco compartilham. Realmente nos tornamos "SÂNDICOS" quando expomos verdades...(texto bíblico compilado e a bíblia não é um "LIVRESCO") Considero arte e dom o saber ler e transmitir o que aprendeu.

Grde. Abraço!